Os passos diante da crise da COVID19 no Contratos de Construção
30 de março de 2020
Exibir tudo

Exxata 10 Anos – Carta do Fundador

Quando fundei a Exxata Engenharia de Contratos há 10 anos atrás eu queria fazer uma empresa diferente. Estava cansado da burocracia, dos controles, dos horários, dos procedimentos.

Uma empresa é uma abstração jurídica feita para refletir um ideal e um objetivo em prol dos seres humanos.

No passado o meio da Engenharia de Contratos era mais agressivo e naquele ambiente de agressividade eu nunca hesitei em colocar o dedo em riste. Relembro-me de um dia conversando com um antigo sócio ele disse: “Essa engenharia de contratos não existe nem nunca vai existir”. Doce ilusão de um profeta de fatos acontecidos.

Agora as coisas são mais civilizadas.

Felizmente tive excepcionais professores, entre eles destaco o Gilson Lins, o Roberto Mauro do Couto, o Wellington Miranda, o meu grande mestre, Marco Aurélio Cataldi Santoro e ao meu grande incentivador e amigo, Cristiano Guimarães. São muitas as pessoas para citar, mas não posso deixar de dar os devidos créditos ao Sergio Alexandre Lindenberg e ao José Maurício de Vasconcellos a quem tenho dívida moral e de honra eterna. Dirijo também palavras de agradecimento a mais dura das minhas professoras, mas sem dúvida uma das mais competentes pessoas que já vi na vida Christianne Polazzi.

Deus colocou na nossa equipe pessoas maravilhosas a exemplo do nosso competente CEO Vitor Melo, o nosso COO Ricardo Antinarelli, nosso CFO Igor Fontes, e meus queridos Gerentes Leonardo, Fernanda e Edivilson. Obrigado de verdade. O meu coração dói em pensar na possibilidade de perder vocês.

Eu sei da responsabilidade que tenho com vocês na medida em que viemos tripular esse barco. Nesse caso entendo que já começam a perceber o significado de “navegar é preciso, viver não é preciso”. Uma frase interessante, em que o significado se confunde entre Precisão e Precisar. Talvez o autor tenha tido essa intenção.

Em passado relativamente recente, aborreci-me com um caso que estava tomando um desfecho não esperado. Fiquei muito chateado e triste. O Eng. Edivilson me disse uma frase que na ocasião achei bonita, mas só hoje percebo a profundida do que foi falado:
“-Pare com isso! Nós não temos tempo para lamentar, temos muitos clientes para salvar.”

Quero também agradecer a primeira pessoa que trabalhou comigo na Exxata, o Thiago Matiolli, em nome de quem saúdo todos os que passaram pela Exxata nesses anos e aos que aqui hoje estão. Agradeço também a nossos queridos clientes. A filosofia que nos move é ajudar nosso cliente de maneira incansável.

Superada essa fase sentimental, e já há um bom tempo, não mais como Capitão da Nau, mas na posição de poeta e sonhador, peço que o nosso Capitão do Navio e sua tripulação nunca abaixe as ancoras e mantenha as velas na direção do vento a todo vapor! Mas se houver algum tropeço eu peço que me conceda, a honra de subir à amurada e disparar o primeiro canhão.

Agradeço a todos que hoje estão conosco nessa Nau. Relembro-me agora de um belo hino que diz:

“As ondas atendem ao Meu mandar, Sossegai! Sossegai! A ira dos homens, o gênio do mal, tais águas não podem a nau tragar”.

Na cidade de Belo Horizonte, em abril de 2020.

João Antônio de Almeida Júnior